Análise: viver só de commodities não dá

É preciso encontrar alternativas locais para fazer frente ao súbito aumento de custos

Por Ricardo Nogueira | Foto Shutterstock

Na gangorra cambial que continuamente nos assola, estamos competitivos para vender nossos produtos no exterior. Entretanto, quem mantém operações baseadas em componentes importados precisa desesperadamente encontrar alternativas locais para fazer frente ao súbito aumento de custos.

Tendo em vista que isso é uma gangorra, o que acontecerá quando o ciclo se inverter? Deixaremos nossos clientes conquistados no exterior, a ver navios, e os investimentos locais para o atendimento às demandas internas abandonados? Difícil falar em indústria competitiva dessa forma.

A competitividade da indústria depende de uma série de fatores que influencia o estabelecimento de um ambiente econômico amigável e que, no Brasil, não tem sido dos mais pródigos. Basta olhar para as altas taxas de juros, a forte tributação e a insegurança jurídica nas relações trabalhistas, que são apenas algumas das mazelas no dia a dia dos empresários sobre as quais eles não têm nenhum controle.

Produtos

Há, no entanto, um fator que tem sido negligenciado e que pode trazer resultados rápidos e significativos de competitividade e lucratividade para o setor industrial: investir mais no desenvolvimento de produtos.

No Brasil, grande parte dos investimentos da indústria sempre foi direcionada para a manufatura, na qual encontramos, hoje, tecnologia e processos bastante elaborados e sofisticados de controle de produção. Apesar disso, ainda vemos excesso de desperdício de matéria-prima em muitos casos e retrabalhos que encarecem o produto. Não raro ainda é encontrar produtos superdimensionados, usando mais material do que o necessário, ou, no caso inverso, subdimensionados, não atendendo expectativas mínimas do cliente.

O grande problema está sempre no começo do processo, a concepção adequada do produto. Ouve-se muita reclamação sobre falta de incentivo e de recursos para investir no desenvolvimento de produtos melhores, mas o dinheiro para isso está sendo gasto na ineficiência que passamos a aceitar como normal. O dinheiro existe e só precisa ser redirecionado para o lugar certo, porque está indo para o lixo.

Custos

Está na hora de fazer Engenharia. Com a aplicação de tecnologias de simulação e testes disponíveis ­atualmente, a redução de problemas na fase de manufatura e a possibilidade de exploração quase infinita de soluções de otimização do produto, muita dor de cabeça e custos que tornam os produtos pouco competitivos poderiam ser evitados.

Certamente, uma conjuntura econômica favorável faria tudo ficar mais fácil, mas, com produtos mais bem projetados, tornaríamos nossas conquistas menos efêmeras e poderíamos contribuir para uma indústria nacional mais relevante no PIB. Porque viver só de commodities não dá.

*Ricardo Nogueira é presidente da SMARTTECH, empresa 100% brasileira especializada em tecnologia e serviços de apoio a projetos de Engenharia