Equipamentos precisos são essenciais para medição meteorológica

Texto Edgar Melo | Foto Shutterstock

É sabido que ambientes atmosféricos em que há muita mudança na direção e na intensidade do vento nas diferentes camadas da atmosfera (cisalhamento vertical do vento), além de calor e umidade disponíveis, são locais favoráveis ao desenvolvimento de tempestades. Segundo Francine Sacco, meteorologista da Squitter Soluções em Monitoramento Ambiental, outro fator importante a ser observado é a direção de deslocamento dos ventos acima da superfície, que, muitas vezes, determinam o posicionamento, a distribuição e o deslocamento de núcleos de tempestades formadas nas vizinhanças. “A verificação e a avaliação de todos esses aspectos exigem que parâmetros e variáveis meteorológicas sejam medidos em diversas altitudes ao longo da atmosfera. Essa medição pode ser feita por meio de radiossondagens, nas quais um sensor é preso a um balão, que, após ser liberado, ascende pela atmosfera e atravessa diferentes camadas medindo e enviando as informações para uma base em superfície”, afirma Francine.

O resultado é a elaboração de perfis verticais de temperatura, umidade e vento que permitem avaliar a condição de estabilidade e instabilidade do ambiente, assim como o potencial para o desenvolvimento de tempestades. Atualmente, no Brasil, essas sondagens da atmosfera são efetuadas com frequência e certa regularidade nos principais aeródromos, nas estações de propriedade da aeronáutica. Em alguns Estados, observa-se uma quantidade maior de estações de altitude, enquanto em outros há somente uma estação, como é o caso de Santa Catarina, onde a sondagem é feita na capital, Florianópolis, permanecendo o restante do Estado sem informações de altitude.

Revista Geografia | Ed. 65