Opinião: a parcela de culpa da comunicação na falsa sustentabilidade empresarial

Por Backer Ribeiro | Foto Antonio Cruz/Agência Brasi

Mariana (MG) – Rompimento de duas barragens da mineradora Samarco na última quinta-feira. Em meio ao cenário de muita lama, barro e destruição, o que restou lembra uma cidade fantasma

Todos os anos, no dia 5 de junho, celebramos o Dia Mundial do Meio Ambiente. Bonitos discursos são proferidos nesta data, comprovando mais uma vez que nunca na História se falou tanto sobre meio ambiente e sustentabilidade. Políticos de todos os níveis da administração pública falam das medidas adotadas em suas administrações, ONGs apresentaram seus projetos para a preservação e a conservação do planeta, e as organizações empresariais trataram de mostrar, para todos os seus ­stakeholders e também para a sociedade, seus projetos de sustentabilidade que promovem a equidade econômica, social e ambiental e que além disso contribuem para a construção de um mundo melhor para as gerações futuras.

Entretanto, a proteção ambiental não pode ser assegurada somente com base no cálculo financeiro de custos e benefícios. O ambiente é um dos bens que os mecanismos de mercado não estão aptos a defender ou a promover adequadamente. Mais uma vez, repito que convém evitar uma concepção mágica do mercado, que tende a pensar que os problemas se resolvem apenas com o crescimento dos lucros das empresas ou dos indivíduos.

Será demasiado esperar daqueles que são obcecados pela maximização dos lucros que considerem os efeitos ambientais que deixarão às futuras gerações? Há muita descrença em relação à sustentabilidade empresarial. Já no início da década de 1990, a professora Isabel Carvalho, argumentava: “O surgimento de um ‘mercado verde’, das ‘tecnologias limpas’, do ‘consumo sustentável’ mantém a mesma lógica da degradação ambiental, revestida pelo discurso do desenvolvimento sustentável”. Sustentabilidade tornou-se a palavra do momento, da moda, e todas as organizações querem “estar na moda”. Ser uma empresa sustentável, que pensa na preservação do planeta, que cuida dos seus funcionários e da sua comunidade, que desenvolve e comercializa produtos que não agridem o meio ambiente e não fazem mal à saúde das pessoas é, literalmente, um grande negócio.

Entretanto, a sustentabilidade não pode ser encarada como modismo, um diferencial em relação aos concorrentes, ou mesmo como algo que possa agregar valor ao produto e/ou serviço. Sustentabilidade é o que vai garantir que essa mesma empresa continue existindo lá na frente, dando lucro aos seus proprietários e acionistas, seus herdeiros, produzindo bens que proporcionem conforto às pessoas e garantindo emprego à sociedade. Como sobreviver às novas mudanças, ao novo mundo, são respostas que deveriam nortear as organizações empresariais rumo à sua própria sustentabilidade.

Embates

Vivemos um momento delicado: a relação entre desenvolvimento econômico e qualidade de vida está caminhando para um divórcio. Grandes embates são travados, e o objetivo é conciliar os diversos interesses sociais, econômicos e ambientais.

O que se pode perceber é que o “discurso sustentável” vem sendo apropriado pelo mundo empresarial corporativo, muito mais do que em outros setores da nossa sociedade. As empresas tornaram-se as grandes “guardiãs” do meio ambiente, são organizações socialmente responsáveis e também promovem o desenvolvimento sustentável do planeta.

Citando Rachel Carson: “O homem é parte da natureza e sua guerra contra a natureza é inevitavelmente uma guerra contra si mesmo”. Como dizem corriqueiramente aqui no Brasil, é uma “febre” falar em sustentabilidade no meio empresarial, podemos chamá-la de “gripe da sustentabilidade”, pois, nos últimos anos, ela contaminou a todas as organizações empresariais instaladas aqui no País.

Os discursos empresariais estão recheados de valores que antes eram contraditórios à lógica capitalista, as propagandas e as mensagens na mídia corporativa mais parecem viagens utópicas dos hippies nos anos 1970. CEOs e dirigentes deliram frases de efeito. Eventos corporativos, publicações, rankings e outros acontecimentos que enaltecem a atuação sustentável das empresas ganharam um valor imensurável pela contribuição à imagem e à reputação corporativa. O foco obstinado no lucro e a guerra de mercado parecem ter sofrido uma mudança brusca no seu direcionamento.

Estratégia

A visão empresarial ainda é muito míope. A sustentabilidade é um fator estratégico de sobrevivência, agrega valor à imagem institucional, dá credibilidade pública e liderança competitiva. Entretanto, será somente essa a questão a ser levada em consideração? Será necessário passar por uma crise, um risco à imagem e à reputação, para que ocorra uma revisão de valores institucionais e mudança na condução dos negócios.

Essas questões nos levam a uma reflexão sobre o papel da comunicação empresarial em relação à sustentabilidade. A qual propósito serve o comunicador que atua no mundo empresarial corporativo, ou a qual ele deveria servir perante os desafios de preservar o planeta para as futuras gerações? Deveria ser capaz de promover as mudanças de paradigma na forma de atuar da empresa e, assim, agregar valor “sustentável” à sua imagem e reputação, ou somente criar discursos e propagandas para a disputa de novos mercados na luta contra seus concorrentes? Sabemos da responsabilidade do biólogo diante da proteção da ecologia, do médico e a proteção da vida, do engenheiro na garantia da comodidade da vida moderna, mas qual é a responsabilidade do comunicador em face da sustentabilidade do planeta?

Formação

Somos os profissionais capacitados para perceber as mudanças e nortear os caminhos para o futuro, criar uma forte reputação às empresas e também oferecer sustentação nos momentos de crise. Sabemos que a comunicação também se dá no campo das percepções, portanto é imperativo que as empresas sejam “percebidas” como organizações sustentáveis. Contudo, não basta ser somente percebida, mais do que uma boa imagem, a empresa deve construir uma boa reputação. Não basta falar que cuida do meio ambiente, tem que cuidar de verdade. As empresas precisam criar uma relação verdadeira com todos os públicos, contribuir com as políticas públicas, com a melhoria da qualidade de vida das comunidades, cuidar dos seus funcionários, entre outras coisas. A consolidação de uma imagem socialmente responsável faz com que o meio empresarial busque formas de melhorar o seu relacionamento com o meio ambiente e a sociedade, a fim de contribuir para um desenvolvimento sustentável, do qual também depende a sua sobrevivência.

O desenvolvimento sustentável tem que deixar o campo das aparências e passar a existir de forma completa no campo das ações, tendo o comunicador o papel central de ampliar o diálogo real formado por meio dessas verdadeiras ações e a sociedade. Sempre em busca de sustentabilidade e proteção do meio ambiente dentro e fora das empresas.

Revista Geografia | Ed. 67

*Backer Ribeiro é fundador da Communità Comunicação Socioambiental.

**Esse texto é um excerto do artigo científico “Razão Social ou Nome Fantasia: a comunicação empresarial na construção da sustentabilidade fantástica”, escrito pelo Prof. Dr. Backer Ribeiro, para  publicação na revista Conexion Peru, em novembro de 2015.